27 junho 2011

Croché na literatura - "Crime e Castigo"

Estou lendo "Crime e Castigo", de Fiódor Dostoiévski, abaixo reproduzi uma passagem interessante, onde o croché ou o tricô é citado, não dá pra saber de qual técnica ele está falando. O livro é um clássico de 1866.

O simpático cavalheiro teria deixado escapar uma palavra que deve ter esclarecido mamãe, se bem que ela faça tudo para se defender disso. "Eu mesma', escreve, 'não aceitaria'. Com que, então, ela conta? Será que pensa poder viver com os cento e vinte rublos da pensão, desfalcados pela importância devida a Afanássii Ivánovitch? Lá, na nossa cidadezinha, ainda gasta os olhos cansados em fazer capinhas de lã e bordados de punhos. Mas tais capinhas não rendem mais do que vinte rublos anuais para serem acrescidos aos 120 da pensão, sei disso.

  • HOJE - AUJOURD’HUI Aujourd’hui je suis très sensible, Je me sens un poète, un écrivain, Ceux qui écrivent des choses sensibles, Choses avec émotion, d’un seul éla...
    Há 2 meses